sábado, 13 de agosto de 2022

Os Médici de Franco Cesatti

 Não é difícil perceber pelo titulo sobre o que é este livro. Os Médici foram uma das famílias mais importantes da história italiana. Durante muito tempo foram uma família importante de Florença e eventualmente subiram ao poder. O livro é muito interessante mas é algo incompleto, somente porque muitas figuras da família mereciam um livro sobre a sua vida. 

domingo, 7 de agosto de 2022

A Sedução de Wilde de Eloisa James

 Há uns anos li um livro da Eloisa James e não fiquei impressionada. Não são o tipo de livro que impressiona, mas na altura fiquei desapontada com o livro e achei por bem evitar esta autora.

No entanto e muitas vezes há sempre um entanto, gostei da sinopse deste livro. Talvez por ser diferente do habitual neste tipo de livro. Comecei a ler e voilá, fiquei presa no desenrolar do livro. É certo que não há grandes surpresas mas a forma como tudo se vai desenrolando cativa. Voltarei a Eloisa James no futuro, sem dúvida! 


domingo, 24 de julho de 2022

O Assassinato do Arquiduque de Greg King e Sue Woolmans

 Não conhecia este livro e por isso não fazia parte daquela lista de livros a ler um dia. Mas vi-o numa promoção da Bertrand e achei interessante. 

Quando comecei a ler pouco ou nada sabia sobre o Arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do trono ao Império Áustria-Hungria. O seu assassinato, em 1914, foi como o acender de um fosforo, que desencadeou a Primeira Guerra Mundial.

Eu esperava um livro chato, cheio de factos, afinal não é uma biografia romanceada, mas sim uma biografia a sério. Felizmente estava enganada e a leitura foi tão empolgante como se fosse ficção escrita por um grande autor. 

É sempre interessante conhecer figuras históricas cujo o destino determinou a vida de tanta gente no continente europeu. Ainda mais quando penso que este Arquiduque só se tornou herdeiro do trono porque o filho do imperador se suicidou e embora tivesse filhas estas não estavam na linha de sucessão. Se o verdadeiro herdeiro tivesse vivido para reinar, o destino de Francisco Fernando tinha sido outro. Não tenho tanta certeza se não haveria guerra, afinal todos os motivos são válidos para declarar guerra e invadir os países vizinhos...


sábado, 9 de julho de 2022

O Ano da Dançarina de Carla M. Soares

 Há uns anos li o primeiro livro da Carla M. Soares, gostei do livro e achei que a Carla tinha imenso potencial como escritora. Este livro é mais trabalhado e nota-se claramente que a autora evoluiu na escrita.

Escolhi este livro porque tinha muita curiosidade sobre o Portugal no fim da Primeira Grande Guerra, a minha curiosidade foi aguçada pela série portuguesa Vento Norte, exibida da RTP1. 

É uma época que não se encontra muito nos livros pois a maioria dos novos escritores prefere o tema já esgotado do Fascismo. 

No Ano da Dançarina conhecemos a família Lopes Moreira, uma família rica com vários filhos. O nosso protagonista é o filho mais velho, Nicolau, que se alista e vive os horrores da Primeira Grande Guerra. Volta ferido no corpo e na alma a Lisboa para tentar recomeçar.

A autora fala de diversos momentos históricos, 1918, foi um ano agitado e marcado pela famosa Gripe Espanhola. É um pouco estranho ler determinadas passagens do livro e pensar que há bem pouco tempo também nós sofremos uma epidemia e continuamos a sofrer, embora as restrições não sejam tão severas.

Para terminar gostaria de dizer que gostei muito deste livro tanto da história como dos personagens. E se a RTP tivesse antes adaptado este livro em vez de criar uma história de raiz tinha sido mais feliz. Vento Norte falha em muitas coisas, mas a principal é a de ter criado uma história que podia ter sido muito mais rica. 

segunda-feira, 20 de junho de 2022

A Filha do Vigário de Cheryl Holt

 Diz-se que em equipa vencedora não se mexe e isso podia-se aplicar aos livros desta autora. Podem andar à volta do mesmo, podem não trazer nada de novo, mas isso não tira prazer na leitura. 


terça-feira, 7 de junho de 2022

Pão Com Fiambre de Charles Bukowski

 Há já algum tempo que tinha vontade de começar a ler Bukowski. A minha curiosidade vinha de ter lido algumas frases suas e de as ter achado interessantes. É fácil de ver que tinha boas expectativas.

Muitos escritores conseguem cativar pela história ou as personagens, outros pela forma como escrevem. No caso de Bukowski nada disso me conquistou, ler foi uma verdadeira tortura. Nunca desisti de ler um livro mesmo que não tivesse a gostar, mas se fosse esse o meu hábito nunca teria chegado ao fim do livro.

Henry Chinaski parece estar sempre no mesmo loop: beber e andar à porrada, não tem objectivos de vida. E tudo isto não me parece interessante, mas até podia ser, se o livro não repetisse constantemente o mesmo.

As tais frases que me cativaram estão lá, mas não são suficientes para me fazer gostar. A meu ver o escritor foi sobrevalorizado. Contudo e como sempre acontece com os escritores que leio pela primeira vez darei uma segunda oportunidade.


domingo, 22 de maio de 2022

Pessoas Normais de Sally Rooney

 E depois de um livro fracamente mau, um francamente bom.

É uma história de duas pessoas que se amam mas parecem não conseguir acertar na relação. É real, por vezes demasiado, mas é isso que torna o livro tão bom.

No fim fica-se a pensar e a ponderar se tomamos os caminhos certos... A vida é mesmo assim....