quarta-feira, 8 de março de 2017

Sobre o dia internacional da mulher

Há pouco ao passar os olhos pelo meu feed do facebook fui surpreendida por um vídeo sobre livros infantis. O vídeo mostrava uma mãe e uma filha que iam tirando livros da prateleira. Tiravam livros que não tinham personagens femininas, onde estas não falavam... A determinada altura falavam de livros onde a heroína era ajudada. Eu fiquei a pensar um bocado naquilo. Achei o vídeo interessante, não fazia ideia tantos livros tinham tão poucas personagens femininas. Contudo quando falavam da ajuda, eu achei idiota. Acho que uma mulher pedir ajuda não a torna menos mulher. Uma mulher pode e deve pedir ajuda. O que não faltam por ai são ideias que não devemos pedir que temos que ser fortes e tal. Mas ninguém sabe tudo e mostrar que nos podem ajudar e podemos ajudar os outros é positivo.

3 comentários:

Eva Maria Valério de Sousa disse...

Antigamente os escritores achavam que as mulheres não eram capazes dos mesmos sentimentos elevados que os homens, o amor por exemplo, a Jane Austen foi uma pioneira nisso.

Eva Maria Valério de Sousa disse...

E só os fortes pedem ajuda, são os que não têm medo de ser postos em causa, ninguém vive bem sozinho e quando vive é porque tem uma doença de cabeça...

Madrigal disse...

Eva, sim e por isso as irmãs bronte publicaram com pseudónimos masculinos. A Charlotte Bronte disse mesmo que queria que a Jane Eyre fosse avaliada pela história e não pela autora.

Quanto ao resto concordo ;)