sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Balanço Literário de 2016

2016 ficará para sempre na minha memória como um dos piores anos a nível literário.
 
Mas comecemos pelo principio, este ano terminou o meu clube do livro. Tive pena de terminar mas o projecto deixou de fazer sentido. Cada vez mais era difícil de encontrar livros que todas queriam ler. Foi uma experiencia maravilhosa e só posso agradecer a quem quis entrar no projeto. Guardo boas lembranças das leituras que fizemos, das particularidades na hora de falar do livro que cada uma trazia à discussão, etc.
 
A nível pessoal não li um único livro que me tivesse marcado ou que eu queira reler no futuro. Tive pena pois eu sinceramente gostava de ter gostado do Paciente Inglês, por exemplo. Mas não deu e quando não dá não há nada a fazer.
 
Por outro lado sinto-me orgulhosa pois consegui passar o ano sem comprar muitos livros, comprei poucos e os que comprei li-os quase depois de os comprar, o que evitou acumulações à lista para ler.
 
Outra boa coisa foi ter feito uma lista de leitura e ter conseguido ler quase tudo. Revelou-se uma boa estratégia e que certamente vou manter este ano. Passem por cá no inicio do ano para ver a lista e para conhecerem os meus prognósticos.
 
A todos os que leem este blogue, o meu obrigado por estarem desse lado e desejo a todos um excelente ano de 2017, com muitos livros e melhores leituras.
 
 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Merry Christimas

Meus queridos leitores, a todos um feliz natal e ouçam esta música para entrarem no espirito!

sábado, 17 de dezembro de 2016

Boas Publicidades

Há alguns anúncios que ainda me fazem sorrir e aquecem o coração, é o caso deste: Tous

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

O problema do Whatsapp

Desde que instalei o whataspp que falo regularmente com várias pessoas amigas. É uma ferramenta útil e excelente para falar com quem vai se ausentar do país. Como é o caso da minha amiga R.
Hoje recebi uma mensagem de uma amiga a dizer que a partir de Janeiro o serviço ia deixar de funcionar no telemóvel dela, pois é antigo. Achei um bocado injusto. Eu sei que é grátis e que a tecnologia avança... Mas começo sempre a pensar que estamos tão dependentes da tecnologia e como querem que compremos mais e assim que nos fazem modernizar. Neste caso a minha amiga diz que o telemóvel funciona bem e não vai comprar outro só porque sim.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Haveria necessidade??

Hoje passei na Bertrand para comprar o Principezinho. Eu sei já devia de ter lido há séculos mas nunca se deu a oportunidade...
Aproveitei e comprei uma versão mais infantil para oferecer à minha sobrinha no Natal.
Como não sabia onde estava perguntei e qual não é o meu espanto quando me indicam versões com puzzles e figuras autocolantes??? Um livro vale por si não acho necessário enfeita-lo para o tornar mais atrativo. Mas vivemos num país onde as pessoas não leem, se calhar se não for assim não vende. Em todo o caso, eu comprei uma versão normal.

domingo, 11 de dezembro de 2016

O problema do nome

Uma conhecida minha vai ter um bebé. Há umas semanas soube que se ia chamar António. Serei a única a achar que o miúdo pode vir a ser vítima de bulling e ter graves problemas quando os outros miúdos desatarem a cantarolar isto????


 

sábado, 10 de dezembro de 2016

When was the begining?

ELIZABETH'S spirits soon rising to playfulness again, she wanted Mr. Darcy to account for his having ever fallen in love with her. ``How could you begin?'' said she. ``I can comprehend your going on charmingly, when you had once made a beginning; but what could set you off in the first place?''
``I cannot fix on the hour, or the spot, or the look, or the words, which laid the foundation. It is too long ago. I was in the middle before I knew that I had begun.''


Pride and Prejudice by Jane Austen
 

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Qual é a diferença entre o primeiro filme do grey e o segundo???

Pelo trailer parece-me que o Jamie Dorman arranjou um gajo que o ensina a falar sem mastigar as palavras. O resto é a mesma treta. Desta vez não vou perder o meu tempo a ver.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Coisas que eu não entendo

Este blogue, como muitos outros, aceita comentários anónimos. Este blogue, como muitos outros, acho eu, recebe comentários que são spam. O que eu não entendo é porque é que estes comentários são sempre no mesmo post!

sábado, 3 de dezembro de 2016

Queres casar e não queres que termine em divórcio???

Então, meus amigos, tudo o que tem a fazer é não casarem com alguém com estas profissões. Se esta for a vossa profissão então não se casem, vão viver juntos e assim não há divórcio!! :D

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

O que ando a ler

The Making of Pride and Prejudice by Sue Birtwistle &  Susie Conklin - um livro sobre os bastidores de uma das minhas adaptações preferidas. Comecei ontem e já li alguns insights sobre o livro muito interessantes.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Uma familia feliz

Estava aqui a ler isto e a pensar que por vezes existem finais felizes. Uma das coisas que eu gostava de fazer é adoptar uma criança. E por acaso também gostava de adoptar irmãos. Sei que é sempre mais difícil eles serem adoptados...

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas

Este é talvez um dos clássicos mais conhecidos e também um dos mais adaptados para cinema e televisão. Quem nunca ouviu falar dos Três Mosqueteiros ou se referiu a um grupo de amigos como sendo os três mosqueteiros?
 
Escrito por Alexandre Dumas no séc. XIX este livro goza de uma enorme popularidade. Os valores que fala da amizade, companheirismo, cavalheirismo podem até estar em declínio, mas são universais. Quem não gosta de ter amigos quem os quais pode contar em qualquer ocasião?
Eu já conhecia esta história graças aos desenhos animados da minha infância e algumas adaptações que vi. Tinha uma curiosidade moderada de ler.
 
Não posso dizer que adorei, mas também não detestei. Penso que é antes de tudo um livro sobre a amizades e depois com muitas aventuras. Estas aventuras fazem sonhar os mais aventureiros. Não sendo um clássico à altura de outros que já li, acho que é um livro que merece ser lido mais que não seja para descobrir o que fazem bem ou mal nas adaptações...


 

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Como os putos na escola

Uma amiga minha namora com um rapaz que é filho de pais emigrantes. Como é normal, nestes casos, ele tem um nome estrangeiro. Numa das aulas de francês apareceu uma frase com o nome dele. Achei imensa piada pois dizia que ele já tinha netos. Vai dai tirei uma foto e enviei à minha amiga com a legenda: o **** já tem netos!!
Eu sei que não é o comportamento próprio para uma pessoa adulta, mas eu já tinha feito os exercícios. Por isso não foi assim tão grave :D
 
p.s: hoje voltou a aparecer o nome dele e voltei a fazer o mesmo. Desconfio que as mensagens deste tipo vão se repetir até ao fim da formação.

 

sábado, 26 de novembro de 2016

Very Proud of Myself

Na quinta-feira, por mero acaso, no metro sentou-se à minha frente uma Mãe e um filho. Até aqui nada de novo, começam a falar sai-lhes francês. Eu tentei ouvir a conversa e ver o que percebia. Não foi muito é claro. Mas ontem quando cheguei à aula disse à professora o que tinha acontecido e em francês. Senti-me orgulhosa de conseguir expressar um acontecimento em francês, embora claro tenha metido uma calinadas :D
Para quem não gosta e só teve francês durante 3 anos no secundário acho que não me safei mal.
 
( E para aqueles que estão a pensar: mas porque é que não poes o titulo em francês?? Sabem como é: uma no cravo e outra na ferradura.)

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

A segunda mae

Estava aqui a ler isto e a pensar que casos destes são muito raros. É um tema que daria para se falar durante muito tempo. O que mais acontece é precisamente o contrário e a criança ser maltratada...
Seria bom que as pessoas crescessem um bocadinho e não deixassem os ciúmes e outros sentimentos interferir na forma como tratam a criança.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Demelza e Ross: Love is a bumpy road....

 
 
Na semana passada vi a segunda temporada da série Poldark. É uma série que estreou o ano passado e conquistou o meu coração.
Haveria muitas coisas a dizer, mas vou-me concentrar na historia de amor entre Demelza e Ross.
Ross é um homem que vai combater na Guerra da Independência dos Estados Unidos. Ao voltar para a Cornualha descobre que o tinham dado como morto e por consequência a sua noiva está de casamento marcado com o seu primo.

Numa briga Ross conhece Demelza a quem acaba por dar trabalho como criada na sua casa.
É evidente que Demelza gosta de Ross e ele também sente a sua atração por ela. Um dia ele perde a cabeça e acaba na cama com ela. Se fosse um filho da mãe, Ross ia dormir com ela e acabava casado com outra, mas como é um gajo como deve de ser, casa com ela.
 Demelza enfrenta então um desafio de tornar-se numa esposa adequada para o marido e eis que com a ajuda de Verity aprende a comportar-se, a falar, etc. etc.
 
O que eu gosto na série, e em especial nesta historia de amor, é vermos como eles vão conseguindo ultrapassar as dificuldades da relação, os sempre necessários ajustes de expectativas e de personalidades, as dificuldades económicas e  o fantasma de Elizabeth, mais presente nesta temporada após a morte do marido.
 
É interessante vermos a insegurança de Demelza e vermos como Ross mal se apercebe disso e quando percebe não lhe dá valor. Numa reviravolta, Ross acaba por dormir com Elizabeth apenas para descobrir que ela é passado. Acho que a Elizabeth não seria a esposa adequada para Ross, acho que é o género de mulher que foi educada segundo determinadas normas e nunca saberia reagir aos problemas de forma adequada. E não digo isto por ser team Demelza, digo-o porque apesar disto ser ficção acho que reflete a realidade. Muita gente pensa no passado e acha que seria feliz com X ou Y mas na realidade não seria. E acrescento que o melhor desta série é o realismo como retrata a vida destas pessoas, separadas no tempo e ficcionais, mas de certa forma com os mesmos problemas e angustias que muitos de nós.

 

sábado, 19 de novembro de 2016

O amor é mais falado do que vivido??

Estava aqui a ler este texto e a pensar como o mesmo é verdadeiro. Acho que cada vez mais é mais fácil despachar alguém e muitas vezes por dá cá a aquela palha. Para onde foi a paciência? Para onde foi o perdão? Para onde foi a vontade de construir?
Ainda há dias via o perfil de uma ex-colega de trabalho ( que também faz artesanato e por isso mesmo costume ver) e percebi que já não tinha namorado. Fui cuscar o perfil dele e percebi que ele tinha novo amor. As fotos que existiam dela foram substituídas por outras com o novo amor. Curiosamente as fotos dele aqui no Porto (ele vive no Algarve) continuam por lá. Não saberia explicar os motivos. Mas a verdade é que se pode bloquear alguém no facebook ou apagar fotos com um simples clique, já as memórias ficam para sempre. Quem sabe ele guarda as memórias desses dias como bons e as fotos servem para o lembrar disso?

 

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Cinema e Livros

Antigamente quando eu lia algures que o filme X era adaptado de um livro tentava encontra-lo e quase sempre comprava. Foi assim com o Fim da Aventura de Graham Greene, por exemplo. Eram outros tempos e eu sabia que só os bons livros iam para o cinema. Hoje qualquer livro que chegue aos tops acaba inevitavelmente no cinema. Por isso mesmo já não faço isso há muito tempo. Embora admita que muitas vezes o filme acaba por me chamar a atenção para o livro. Sei que muitos livros bons ainda continuam a chegar ao cinema.
 
Ao ler esta entrevista com Carlos Ruiz Zafon achei interessante a perspectiva dele. E tiro-lhe o meu chapéu dado o sucesso dos seus livros deve ter sido muito assediado para vender os direitos. Quanto a mim ainda não li esta tetralogia, mas quem sabe 2017 não é o ano para isso?  

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

É por esta e por outras que eu gosto de estudar línguas

Eu tenho um certo fascínio e gosto por línguas. Acho sempre piada a saber como se diz e principalmente como soam as palavras.
Apesar disso nunca fui à bola com o francês... Mas desde a semana passada que estou a fazer uma formação... É sempre uma mais valia para o currículo. Ontem falamos em despedidas e por lá dizem Je t'embrasse. É o equivalente a dizer beijinhos. A palavra lembra-me o inglês embrace. E vai daí acho que sempre que vir esta palavra, vou pensar que é  são não apenas beijinhos que ali vão, são também abraços...



 

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Luck

Tive uma professora de Inglês, num curso que fiz, que punha nos testes algo como: não te desejo sorte porque a sorte não tem nada a ver com isto.
É verdade que uma boa nota num teste está relacionada com o facto de estudarmos ou não ou da compreensão/conhecimento da matéria...
 
No entanto não deixa de ser verdade que a sorte tem o seu papel. Quantos de nós já não estudamos coisas que não saíram? Ou então sai aquela matéria que não entra e cuja lógica é oposta ao que pensamos? É aqui que entra o factor sorte. Se houver um pouco de sorte essa matéria que não se domina tão bem não sai. Pessoalmente acho que a sorte está muitas vezes presente em muitas coisas, mas convém não dar um valor exagerado. Podemos deixar de achar que é tudo uma questão de sorte e deixarmos de trabalhar para as coisas. Mas também convém ver que muitas vezes o esforço não vai ser compensado.

 

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Mais uma amiga que lança um livro!

Depois da Memória da Chuva da Sandra Freitas, eis que tenho o prazer de partilhar convosco o No Tempo das Mimosas da Eva Maria Valério de Sousa. Podem ver os pormenores aqui: livro
 
Eu sei que poesia não é para toda a gente, mas a Eva é boa moça e merece que o livro seja um sucesso. Porque não apostar em algo diferente? Estará à venda a partir de 10 de Dezembro mesmo a tempo do Natal ou mais tarde do dia dos Namorados...

domingo, 13 de novembro de 2016

O Bebé de Bridget Jones







É uma verdade universalmente conhecida que adoro a Bridget Jones. Mas para ser honesta para mim a história ficava pelo primeiro livro e filme.
Não sou a favor de sequelas, nunca fui, mas claro que é sempre bom rever os personagens.
 
Começando por ai, o Daniel Clever (Hugh Grant)não aparece, mas comédia romântica que se preze tem que ter um triangulo amoroso. Portanto o Daniel é substituído pelo Jack, interpretado pelo Patrick Dempsey.
É verdade que nem o Hugh Grant, nem o Patrick Dempsey são grandes actores, mas o Hugh tem aquele charme de bad boy incorrigível, que não queremos na nossa vida, mas que no fundo adoramos. Logo sempre foi perfeito como Daniel Clever. Já Patrick Dempsey tem um personagem demasiado bonzinho, demasiado perfeito até, para ser credível.
 
As aventuras de Bridget são sempre divertidas e cómicas. Mas desta vez pareceu-me que não houve grandes momentos de comédia ou até momentos que ficam na memoria.
 
Para terminar ou em jeito de resumo, este filme é como rever um conhecido que não vemos há muito tempo. Ficamos a saber o que lhe aconteceu nos anos que passaram, ficamos contentes com este ou aquele acontecimento e lamentamos alguma perda. Sabe bem rever a Bridget, mas se isso não acontecesse não se perdia nada.


 

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Estranhas Coincidências

Ontem lembrei-me de uma coisa que uma amiga me contou. Foi nos anos 90 a propósito de um namorado que teve na altura. Hoje vi um rapaz que acho que era ele. Não sei se era ou não pois desde os anos 90 que não o vejo...
 
Há uns meses aconteceu-me parecido: lembrei-me de uma colega minha e uns dias depois vi-a.
 
Em ambos os casos, as pessoas estavam paradas e eu passei no autocarro.
 
Há qualquer coisa de estranho nisto e que eu não saberia explicar.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Para ler e reflectir

Estava agora a passar os olhos pelo meu feed do facebook quando me deparei com isto: Why We Lose Interest In People Who Show Too Much Interest In Us. 
 
Li e realmente há qualquer coisa de verdade naquilo que é dito. Quase todos já verificamos que quando não mostramos interesse a pessoa parece se interessar ainda mais. Os motivos saõ explicados no artigo. O interessante disto tudo é o perder interesse se há muito interesse porque é que tem de ser assim? Mas creio que já todos vimos isso acontecer. Pessoalmente se não tenho interesse deixo o mais claro possível e se tenho também tento que notem. Não sei se em muitos casos foi/irá ser eficaz. Mas não acho que fingir indiferença por quem nos atrai seja bom ou até correcto.



 
 
 

sábado, 5 de novembro de 2016

Sobre o Dia Mundial do Cinema

Hoje é dia Mundial do Cinema, agora todos os dias são dias de qualquer coisa.
A verdade é que a mim o cinema tem-me desiludido e muito. A última vez que fui ao cinema não saí de lá muito satisfeita e talvez por isso não tenha voltado. A verdade é que são cada vez menos os filmes que me puxam. Vejo um aqui ou ali que tiro da net e raramente me satisfazem. Já não sei que filmes estão na corrida para os Óscares e se realmente valem a pena.
A verdade é que entre remakes, comédias fracas e filmes idiotas pouco sobra...
Fico assim sem muito por onde escolher e a pensar nos velhos favoritos. Longe vão os anos que apreciava o cinema comercial. Agora só se for na televisão e só se me apelar mesmo.

 

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Música para começar bem o dia

Quem me conhece sabe que eu não sou uma expert em música. Gosto disto e daquilo, um ou outro grupo, uma musica aqui e ali. Por isso não conheço muito deste mundo. Ontem, uma amiga enviou-me o link para este vídeo. É certo que não gostei da voz, mas gostei da letra e o vídeo faz pensar...

 

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Assim vale a pena

Há uns quinze dias comprei umas coisas na H&M online. Quando recebi houve uma coisa que não gostei e decidi devolver. Os dias passaram e nada de reembolso ou confirmação que tinham recebido.
Decidi contacta-los e fiquei surpreendida. Recebi uma resposta rápida que confirmava que ainda não tinham recebido a devolução, mas isso não é problema, vão devolver o dinheiro e ainda recebi 10% de desconto para usar numa próxima compra. Assim vale a pena comprar.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

O que ando a ler

Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas - Acção, aventura e romance eis os ingredientes do livro. Não me parece que seja um livro memorável mas é um bom entretenimento.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Anda cá anda, que eu nao te aleijo

Uma amiga minha tem andado de candeias às avessas com o namorado... Numa conversa com um colega ( saiu com ele antes de começar esta relação e vão mantendo algum contacto) disse que estava a ter problemas com o namorado. E eis que nos entretantos ele começa a mandar-lhe montes de mensagens, Bom dia, Boa Tarde, agora vou almoçar, já almoçaste? etc, etc.
 
Eu rio-me e digo que ele está desesperado, ela acha graça à situação ainda mais tendo em conta os motivos que levaram a esta crise com o namorado.
Mas analisando a situação friamente é um bocado triste. Quando duas pessoas se conhecem, geralmente existe uma empatia. É esse sentimento e vontade que leva a pessoa a querer conhecer o outro. Começando por pequenas partilhas do dia a dia até chegar a uma relação. E claro pode também nunca se chegar lá ficando-se pela amizade.
 
Certamente não é o bombardeiro de mensagens que levará alguém a inclinar-se para aquela pessoa.

 

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Viagens Fotográficas

Desde que me comecei a interessar por fotografia que comecei a seguir diversas páginas sobre o assunto no Facebook. As páginas têm conteúdos variados entre as que dão dicas e as que são de fotógrafos. O que eu descobri e não sabia era que se faziam viagens de vários dias, aos mais diferentes locais, para fotografar. A ideia é juntar um grupo de pessoas e estas com o fotografo viajam para o local e fotografam, seguindo as dicas e conselhos do profissional. Parece-me uma ideia boa, embora ache que condiciona o nosso olhar sobre o objecto a fotografar e claro é um projecto dispendioso.

sábado, 22 de outubro de 2016

Vem aí o Halloween e daqui a uns meses o Carnaval

E claro andamos todos ( menos eu)  a pensar o que vestir ou melhor que máscara pôr. Estão sem ideias? Ou fartos dos habituais disfarces? A Madrigal tem a solução é só ver este link: 12 Super-Easy DIY Halloween Costumes You Won’t Believe Are DIY
 
E sim é tudo DIY mas dizem que é fácil, eu não sei se é ou não limitei-me a ver as figuras :D

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Os 12 melhores livros portugueses dos últimos 100 anos

Mais uma lista. E quanto valem estas listas? Valem a importância que lhes quisermos dar. Podem ser mais um reminder de livros que ainda não lemos e queremos ler ou livros que nunca ouvimos falar ou livros que sabemos que nunca vamos ler. Em todo o caso, eu cusco sempre isto. Da lista li apenas um o livro do António Lobo Antunes. E por falar em ALA, a ver se 2017 é o ano que volto a lê-lo.  

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Como saber de onde é um bebé????

Se achavam que os bebés choravam todos da mesma forma, leiam este artigo. E o mais giro é que o sotaque vem da mãe. Logo, os pais, se forem doutro país ou região, não é pelo sotaque que tem a certeza que o filho é deles :D :D

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Antiga crença japonesa

“Um fio invisível conecta os que estão destinados a conhecer-se, independentemente do tempo, lugar ou circunstância, o fio pode esticar ou emaranhar-se, mas nunca irá partir.”

retirado daqui: Poetastro

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Dado & Arregaçado...

Sou só eu que acho que é uma parvoíce ter que se ter conta de Instangram para participar neste concurso? Não sabem eles que há compressão da imagem e logo perda de qualidade?
Não era melhor enviar as fotos por correio ou suporte digital? Mas não, assim é mais fácil, lá está querem dado e arregaçado...

sábado, 15 de outubro de 2016

Breve Apontamento sobre o Nobel da Literatura

Nunca vi tantas vozes a dividirem-se com a atribuição do prémio Nobel da Literatura desde que me lembro de prestar atenção a quem vencia.
Há quem ache bem e há quem ache mal. Mas o que me chama a atenção é a pouca tolerância que existe para as diferenças de opinião. Argumentar o nosso ponto de vista não é fácil e eu sei bem disso porque sofro desse mal.
 
Mas a solução não é partir para o insulto. A Alice Vieira, uma escritora que me merece todo o respeito, de quem já li um livro e aparecia muito nos meus livros de escola, achou mal a entrega do nobel ao Bob Dylan. Sigo-a no facebook e sempre me pareceu uma pessoa afável, educada. Como ela achou mal houve alguém que editou a sua página da wikipedia dizendo que ela tinha era dor de cotovelo.
 
Isto é um golpe sujo e baixo e demonstra bem a pouca tolerância que existe por opiniões diferentes. Afinal custa assim tanto aceitar que há quem ache bem esta vitória e quem ache mal?
Uma das grandes virtudes que podemos ter é o respeito pelas opiniões dos outros que são diferentes da nossa. ´


 

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Atenção vem aí a loucura das compras na H&M

E estava eu a cuscar o blogue da Pipoca Mais Doce quando vi este post: Novidades fresquinhas #67: KENZO x H&M
 
Eu cá comprava tudo, mas mesmo TUDO. Não sei se já vos disse mas eu há muito que desconfio que ando a perder uma grande carreira no circo como palhaça; logo este seria o guarda-roupa ideal.
 
E já que falamos da H&M, vou-vos contar um segredo: se virem saldos ou promos na loja online não se deem ao trabalho de ir ver in loco. Segundo descobri hoje as promos da loja física podem não ser as mesmas das lojas online. O que quanto a mim é um disparate, mas infelizmente acontece noutros lados.

 

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Outlander - Os Tambores de Outono de Diana Gabaldon

Eis-me chegada ao fim da quarta aventura de Jamie e Claire. O que dizer? Bem continuo a adorar acompanhar as aventuras destes dois. Muitas vezes as continuações não são nada demais ou são verdadeiros enche chouriços. Aqui não temos esse problema, Diana consegue manter o interesse através da introdução de novas personagens, situações inesperadas. Até agora acho que o livro menos conseguido foi o segundo. Aguardo então o quinto livro que deve de ser editado por cá para o ano. Até lá vou matando saudades vendo a segunda temporada da série.

 

domingo, 9 de outubro de 2016

O Inferno da Paternidade

Nós fomos educados para alimentarmos os nossos sonhos e ambições, as nossas carreiras e os nossos gostos, as nossas viagens, o sexo pelo sexo, o orgasmo livre de compromissos, os nossos filmes, músicas, concertos e filmes, o nosso tempo de qualidade que tem sempre o mesmo ator: o eu, o nosso umbigo, as nossas manias. Criar filhos é o exato oposto dessa cultura egocêntrica que despreza a renúncia e o sacrifício em nome dos outros.
 
 
Um pequeno excerto de um artigo excelente do Observador. Fala-se muito do desafio que a mulher tem de ter uma carreira e ter uma família, mas pouco se fala dos pais, cujo o papel no seio familiar também tem vindo a mudar. Vale a pena ler.

sábado, 8 de outubro de 2016

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Aquele Momento estranho....

em que descobres um sabonete com o teu nickname!!

Vejam aqui: sabonete

Será que devo pedir para receber parte dos lucros??? :D :D

terça-feira, 4 de outubro de 2016

I'm in love

Eu sei que a Springfield já não é para a minha faixa etária.... Mas eu confesso que estou apaixonada por este vestido.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Um Momento de Perdição

Há uns anos atrás não dava nada pelo cinema francês... mas isso tem mudado nos últimos anos/tempos e até tenho encontrado alguns que são giros e divertidos.
 
Tinha bastantes expectativas para este filme, pareceu-me pelo trailer ser cómico ao mesmo tempo que explorava a relação entre um homem mais velho e uma mulher muito mais nova. Vi e não gostei. Não posso dizer que detestei... O tema não foi muito explorado e não era assim tão cómico. A ideia que fica é que a miúda que anda atrás do Vincent Cassel não passava de uma menina mimada que queria atenção e por isso mete-se na cama dele.
 
Acho que foi uma perda de tempo ver este filme...
 
 
P.S: Podem ver o trailer e as minhas expectativas neste link: Sai mais uma dose de Vicent Cassel para a mesa do canto

 

domingo, 2 de outubro de 2016


e ao ver esta carteira descubro que agora as carteiras também são multifunções. Só não percebi porque é que é assim. Será que fazem algo que as carteiras normais não fazem???

sábado, 1 de outubro de 2016

O que ando a ler

Outlander - Os Tambores de Outono de Diana Gabaldon - quase na recta final e por isso mesmo estou quase a dizer a adeus à Claire e ao Jamie.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Contado ninguém acredita...


A minha mãe estava no comboio e vinha um estrangeiro a passar no corredor. Sem querer bateu no assento da minha mae. Vai dai o senhor diz uns palavrões feios em português.
Será que a dor ativa no cérebro uma capacidade para falar uma língua estrangeira? Quer dizer andamos todos a gastar tempo, dinheiro e cérebro para aprender uma língua e afinal é tão simples???

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

e depois de ver o trailer da série que o Woody Allen fez para  Amazon a única coisa que me ocorre dizer é: prognósticos só no fim do jogo.

 

terça-feira, 13 de setembro de 2016

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

A insustentavel leveza do peso

Posso dizer que tenho sorte pois ao longo da minha vida, até aqui, fui sempre magra. Tirando uma altura que perdi peso e outra que engordei o meu peso vai-se mantendo regular. Não faço grandes exercícios ou tenho cuidado excessivo com a alimentação. Acontece que penso muitas vezes que um dia posso engravidar e não conseguir perder peso.
 
O mundo está feito para os magros verdade seja dita, se forem ver a secção de tamanhos grandes tem pouco variedade e é preciso que as lojas a tenham...
 
Por outro lado as lojas online não oferecem grande coisa em termos de roupa para grávidas. São as calças de ganga com "folga" para a barriga, tshirts. E se uma grávida quiser vestir uma roupa mais gira para sair com o pai da criança? Bem não há muito por onde escolher excepto na H&M.
 
Tudo isto faz-me pensar como a sociedade despreza os gordos. Vê-se em muitas coisa e nestas pequenas coisas também. Afinal vestir roupa bonita também nos faz sentir bem connosco.

 

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Modas Péssimas

Eu sempre achei a moda uma ditadura. As pessoas tem corpos diferentes e por isso mesmo a roupa não fica bem a todos da mesma maneira. Quando tenho que comprar roupa compro aquilo que gosto dentro daquilo que está à venda. Ninguém me apanha a comprar só porque sim. Eu tenho que gostar. Há minutos recebi a newsletter da Zara, sobre a moda overzise. Pergunto eu alguém quer andar na rua com aspecto de ter vestido a roupa de outra pessoa???

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Karma is a bitch

Nunca escondi o ódiozinho de estimação que tenho ao autor do Pride and Prejudice and Zombies. Já muitos agarraram na obra de Jane Austen e lhe deram nova roupagem. Uns com mais sucesso que outros e alguns com maior agrado meu que outros. Mas o que o Seth Grahame-Smith fez ao Pride and Prejudice é abominável. Ele simplesmente agarrou no livro meteu uns zombies aqui e ali e voilá, se tivesse reescrito eu ainda podia tolerar. Com isto fez dinheiro, ganhou fama.
 
Ao ler isto fiquei contente, é certo que não tem nada a ver com o Pride and Prejudice, mas como é parecido ao que aconteceu com a um dos meus livros preferidos sinto que foi feita justiça.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Descubra as diferenças

Há umas semanas comprei este macacão. E qual não é o meu espanto quando vejo um muito parecido nas novidades da Mango?
 
Eu sei que há muitos modelos que não passam de moda, mas uma coisa é ser um modelo intemporal outro é ser cópia. Isto faz-me pensar que realmente não vale muito a pena comprar sem ser em saldos. É que com a diferença de preços compra-se outra peça.

 

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

ATENÇÂO!!!!!!!!!!!!!!!

Parece que a H&M tem uma colecçao qualquer exclusiva que vai ser posta à venda no dia 8 de Setembro às 10h na loja do Chiado. Se for como o ano passado aquilo vai ser um espetáculo digno de ser ver. Que pena eu tenho de não morar em Lisboa, sabem eu adoro rir-me destas coisas. E vendo a colecção até nem vejo nada demais ou que valha a pena, tirando uma ou outra coisa que é mais gira.

De resto, de todas as lojas, a H&M sempre foi aquela onde encontro menos coisas que me apetece comprar.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

O que ando a ler

Outlander - Os Tambores de Outono de Diana Gabaldon - Uma leitura que tem corrido a bom ritmo, comecei no dia 20 e já estou na página 170. Num livro normal seria quase o meio, mas em Outlander com 1000 páginas ainda estou longe do meio.

sábado, 27 de agosto de 2016

O problema do facebook

E pronto lê-se esta noticia e percebe-se que mais uma vez o facebook foi imundado de parvoíce. Desculpem la mas acham que colocar uma foto ajuda em alguma coisa? O apoio a estas causas deve ser activo e não feito através de baboseiras virtuais...
 
 

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

O Paciente Inglês de Michael Ondaatje

A Segunda Guerra Mundial é um dos acontecimentos mais importantes do século passado ou mesmo o mais importante. Ao longo dos tempos tem servido como base para livros e filmes. Uns inspirados em factos verídicos ou pessoas que existiram, outros são fruto da imaginação de quem escreve.
 
O Paciente Inglês era um livro que tinha para ler há muito tempo. Foi um filme que vi, vários anos depois de ter saído, e que gostei bastante. Contudo, os anos foram passando e as memórias do filme foram-se tornando vagas, difusas. Por isso ler foi um quase redescobrir da história.
 
Este ano tem sido ingrato para mim em termos de leitura pois poucos foram os livros de que gostei e que me entusiasmaram mesmo. Este livro podia ter entrado numa lista de livros a reler, mas entrou na lista de livros a não voltar a ler. Achei o livro um bocado chato, eu não me importo de descrições mas pareceu-me exagerado e minucioso em demasia...
 
Além disso os personagens não me entusiasmaram, não consegui sentir empatia por eles. Quanto ao romance que tanto dá que falar, pois também não me entusiasmou. E quem me lê sabe que eu aprecio uma boa história de amor. Mas achei que a Katherine era uma mulher que não sabia o que queria, casou sem estar apaixonada e aborrecida com a vida de casada começa um affair com o Almazy. Já ele não me pareceu estar particularmente apaixonado por ela. No fundo, eu vejo-os como duas pessoas que não sabem amar e por consequência não se podem amar uma à outra.
 
Cheguei ao fim a pensar porque é que gostei do filme. Fui ler o que escrevi neste blogue quando vi. Relendo penso naquela situação de ter fome e comer algo intragável. A fome é saciada mas numa situação normal não suportaríamos comer aquilo. Não quero com isto dizer que o livro e o filme são maus, apenas que, como tantas outras coisas, que há por ai não são para mim ou como dizem os ingleses: not my cup of tea.

 

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Girl Power

Mais uma lista de livros sobre o que as mulheres escritoras nos ensinam sobre a vida. Concordo plenamente com o que é dito sobre os três livros que conheço. Quanto ao Sorte e O Grupo ficam-me debaixo de olho.
 
 

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Atenção!! Estamos mesmo na silly season

Quem não se lembra da Macarena?? Se da primeira vez já tinha sido mau, agora é ainda mais. Mas pronto estamos na silly season e podemos aguentar estas cenas. Vejam tudo aqui: Mas Macarena

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Os melhores filmes do séc. XXI

Vi agora esta lista nesta noticia: melhores filmes sec. XXI

Da lista vi apenas:


A Viagem de Chihiro (Hayao Miyazaki, 2001)

O Despertar da Mente (Michel Gondry, 2004)

Grand Budapest Hotel (Wes Anderson, 2014)

O Amor é um Lugar Estranho (Sofia Coppola, 2003)

A Rede Social (David Fincher, 2010)

Cidade de Deus (Fernando Meirelles and Kátia Lund, 2002)

O Novo Mundo (Terrence Malick, 2005)

O Segredo de Brokeback Mountain (Ang Lee, 2005)

12 Anos Escravo (Steve McQueen, 2013)

Aquário (Andrea Arnold, 2009)

O Lobo de Wall Street (Martin Scorsese, 2013)

A.I. Inteligência Artificial (Steven Spielberg, 2001)

Her – Uma História de Amor (Spike Jonze, 2013)

Vergonha (Steve McQueen, 2011)

Deixa-me Entrar (Tomas Alfredson, 2008)

Moonrise Kingdom (Wes Anderson, 2012)

Ratatui (Brad Bird and Jan Pinkava, 2007)

O Pianista (Roman Polanski, 2002)

 

segunda-feira, 22 de agosto de 2016


uma vez conheci uma pessoa que dizia ler o ultimo paragrafo e assim decidia se comprava ou não o livro. É um método de escolha como outro qualquer, embora eu o ache estranho.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

A vida dificil dos artistas

Meia volta somos surpreendidos por uma noticia de um suicídio de alguém famoso. Também não são raras as vezes que ouvimos que fulano ou sicrano tem graves problemas de dependência de drogas, álcool, sexo...
Alguém me dizia em tempos que problemas estas pessoas podiam ter para se matarem pois tinham tudo. E por tudo entenda-se fama e dinheiro.
A verdade é que ser artista não é exatamente fácil. Primeiro é preciso chegar a um nível de fama em que se pode escolher o que se quer fazer, no caso dos actores. No caso de um músico é preciso também chegar a um patamar em que se é conhecido. Mas seja em que área for não se consegue chegar lá sem trabalho.
Nos últimos Óscares ganhou o Leonardo Dicaprio, mas quantas vezes é que ele foi para casa de mãos a abanar? E como é se que lida com isso? Principalmente depois de meses a perder peso ou a ganhar, a estudar o personagem, a ler sobre ele?
Por fim o trabalho de Leonardo foi recompensado, mas podia não acontecer. Quantos grandes escritores ou actores nunca ganharam prémios? A meu ver lidar com o fracasso não é fácil. Por isso quem o consegue sem cair no abismo é digno de admiração. Seja um grande actor, cantor, escritor ou apenas uma pessoa comum.


 

terça-feira, 16 de agosto de 2016

quarta-feira, 10 de agosto de 2016


 
Um escritor que ando há anos para ler. Uma das coisas mais estranhas da minha vida de leitora é mesmo esta: ando há anos para ler e depois meto outros livros pelo meio e não leio. Se calhar 2017 vai ser o ano de rever melhor as prioridades de leitura.
 


segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Comprar roupa online

Já comprei livros, dvd's, materiais para os meus trabalhos online.... Mas até há umas semanas nunca tinha comprado roupa. Parte de mim achava que para comprar roupa tenho que ver, experimentar e é verdade que parte de mim ainda acha isso. Mas encontrei peças que queria comprar, que não estão à mão de semear nas respectivas lojas e lá me rendi. Comprei e correu tudo bem, podia não ter corrido mas aí podia sempre devolver.
Desta experiencia fica a vontade de repetir e ainda a certeza que online há mais variedade, mais oferta e experimentar passa a ser secundário.

 

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

O que ando a ler

O Paciente Inglês de Michael Ondaatje - Vi o filme há uns anos e gostei. Se a memória não me falha até escrevi sobre isso aqui no blogue. Comecei a ler no sábado, li até à página 32 e achei super aborrecido. Há umas semanas, vi os primeiros vinte minutos num qualquer canal de televisão e também achei chato. A ver vamos o que sai daqui...
 
Fotocomposição de Joel Santos - depois de um livro de fotografia, um de fotocomposição, uma parte importante para se tirar uma boa fotografia.

 

sexta-feira, 29 de julho de 2016

A importância de um bom planeamento

Acontece que hoje inauguramos a exposição fotográfica. Acontece que ontem muitos colegas saíram de lá à meia-noite e a formadora às três. Se isto podia ter sido evitado? Podia claro. Bastava que no inicio da semana passada se tivesse começado a planear e a comprar o que era necessário e esta semana seria para imprimir fotos e tal.

Por isso, quando fizemos o trabalho em si, eu estava sempre a dizer: não pensem se isto está bem ou mal, pensem se gostam do cenário, alterem e depois acertamos os pormenores...

E nesta exposição aconteceu isso começaram tarde por coisas sem importância e o mais importante foi ficando. Planear é essencial.

 

segunda-feira, 25 de julho de 2016

algo de estranho se passa no mundo da moda...

E digo isto por vários motivos, a saber:
 
 
a) roupas feitas com tecidos que parecem cortinados

b) roupas feitas com tecidos que têm estampados iguais aos dos cortinados
 
c) vestidos que mais parecem camisas de dormir sexys.
 
Agora digo eu: o que é que aconteceu para de repente uma mulher tenha que andar assim vestida? Vontade de reviver os momentos do Música no Coração? Vontade de sair com um homem e ele perceber que queremos ir para a cama com ele sem termos que dizer???
Por isso, eu continuo a achar que os modelos clássicos e em tecidos normais são as melhores escolhas de guarda-roupa que podemos fazer.



domingo, 24 de julho de 2016

Viver depois de ti - o filme

Algumas criticas e a sinopse do livro, agora adaptado ao cinema, fizeram-me mantê-lo debaixo de olho. Quando soube que ia ser adaptado ao cinema ficou logo também na minha watch list.
 
Já vi o filme e adorei. Já há muito tempo que não via nada que me enchesse tanto as medidas. O filme aborda uma história que não é de todo original, no entanto, fá-lo com simplicidade e graça não caindo em exageros.
Não sei se é muito fiel ao livro ou pouco. Possivelmente o livro será melhor. Mas sobre isso falarei quando ler o livro. Para já fica apenas a ideia que o amor pode surgir nas circunstâncias mais improváveis. Se ficamos ou não com a pessoa depende de nós e dela e daquilo que estamos dispostos a aceitar fazer e abdicar por ela e ela por nós.
 
P.S: para os fãs de Game of Thrones é engraçado ver a Daynerys num papel MUITO diferente.
 
 

sábado, 23 de julho de 2016

A melhor fotografia

 
 
 
 
Estava aqui a ler esta noticia e não pude deixar de pensar que as melhores fotos são as espontâneas. Não tenho nada contra fotos pensadas e idealizadas por fotógrafos durante dias, das longas sessões em estúdio. Há muitos bons trabalhos nesse campo. Mas, na minha modesta opinião de aprendiz de feiticeiro, há qualquer coisa na espontaneidade de uma foto de rua ou de fotojornalismo que a foto de estúdio não tem. Um fotografo que capta um momento assim tem sorte em parte, mas também passou longas horas à espera do momento. E esse momento ficou imortalizado quem vier a seguir vai ver aquilo que só quem fotografou viu...


 

quarta-feira, 20 de julho de 2016

RIP Garry Marshall

É uma verdade universalmente conhecida que já não se fazem boas comédias românticas. O próprio Marshall fez poucas que são realmente boas. Mas fez uma das minhas prefiradas, Pretty Woman. Quando vejo as comédias romântica actuais tenho pena que o género se tenha perdido tanto....


terça-feira, 19 de julho de 2016

leio isto e penso: como é que as pessoas viviam antes da invenção das apps???

segunda-feira, 18 de julho de 2016

domingo, 17 de julho de 2016

Uma Morte Súbita de J.K. Rowling

Nunca li os livros do Harry Potter e muito honestamente nunca os vou ler. Não sou fã do género. Vi os filmes e até não desgostei.
Este livro foi adaptado para televisão, vi a série, mas não fiquei muito convencida. Se me decidi ler o livro foi porque já o tinha comprado. E se decidi ver a série foi porque tinha curiosidade de ver algo vindo de alguém que durante tantos anos alimentara um mundo de fantasia.
 
A história começa com a morte de Barry Fairbrother e o rebuliço que o lugar, agora vago, causa na assembleia municipal. A vida em Pagford é pacata e todos são mais ou menos ricos, mas nódoa negra que representa Fields é uma dor de cabeça. Fields é o local onde vive quem é pobre e das ajudas do estado.
Pagford luta há anos para se livrar dessa parte da cidade e recambiar a sua jurisdição para a vizinha Yarvil.
 
Ler um livro destes é conhecer os habitantes, nas suas excentricidades, particularidades e sobretudo rivalidades, tão típicas de qualquer pequena cidade seja aqui seja em Inglaterra.
 
Não posso dizer que o livro me fascinou, mas posso vos dizer que gostei bastante da escrita e sobretudo da capacidade narrativa da J.K. Rowling e talvez venha a ler o que ela escrever no futuro, desde que não seja passado em terras com seres mágicos.

 

terça-feira, 12 de julho de 2016

a escolha era um perigo: ao escolher, tínhamos de renunciar a todas as outras possibilidades.


Uma Morte Súbita de J.K. Rowling






 

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Expetativa Vs Realidade

Vendo estas imagens percebe-se que a realidade e a expetativa são claramente diferentes. Há que saber gerir as expectativas. Sendo tia sei que é assim mesmo. E por isso,  um dia quando for mãe isso vai me ajudar a adaptar e a gerir as expectativas.












domingo, 10 de julho de 2016

O amor é uma companhia

O amor é uma companhia.
Já não sei andar só pelos caminhos, ...
Porque já não posso andar só.
Um pensamento visível faz-me andar mais depressa
E ver menos, e ao mesmo tempo gostar bem de ir vendo tudo.
Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo.
E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.

Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.
Todo eu sou qualquer força que me abandona.
Toda a realidade olha para mim como um girassol com a cara dela no meio.


Álvaro de Campos

quarta-feira, 6 de julho de 2016

A diferença entre acabado e completo

Há uma diferença, sim!
Nenhum dicionário da língua portuguesa consegue explicar adequadamente   a diferença entre estas duas palavras. Durante uma recente competição linguística em Lisboa, supostamente frequentada pelos melhores do mundo, Samdar Balgobin, um homem da Guiana, foi o vencedor convincente e foi ovacionado por mais de 5 minutos.
 A pergunta final foi a seguinte:
Como explicar a diferença entre COMPLETO e ACABADO de maneira fácil de entender?
Há pessoas que afirmam NÃO existir nenhuma diferença entre COMPLETO e ACABADO.
Segue a sua resposta inteligentíssiSSIma:
Ao casar com a mulher certa, você está COMPLETO.
Ao casar com a mulher errada você está ACABADO.
E quando a mulher certa te apanha junto com a mulher errada, você está

ACABADO por COMPLETO!


( Apesar do tom humoristico disto até acho que há aqui um fundo de verdade)

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Branwell Brontë e o desperdicio continuo de oportunidades


Branwell, Self-Portrait




Não se admirem por não reconhecerem o nome de Branwell Brontë. Apenas o conhece quem um dia leu algo das irmãs Brontë, como são conhecidas no meio literário, Charlotte, Emily e Anne.
O irónico da história é que era ele quem o pai esperava ver um dia nas páginas dos livros de história, na secção da Literatura ou talvez da Pintura.
Como rapaz recebeu uma educação bem mais esmerada que as irmãs, que para além do básico, foram depois aperfeiçoar os talentos numa escola para poderem ser preceptoras ou governantas. As únicas profissões que as mulheres da sua classe podiam exercer, já que não sendo ricas, não podiam aspirar a casar.
Ao longo da sua vida, Branwell foi de situação em situação nunca tendo alcançado nada. Primeiro foi para a universidade onde ia estudar Pintura. Pintar ele pintou, mas perdeu-se nos pubs e no consumo de ópio, vicio que nunca iria abandonar.
Tenta ainda uma carreira nos caminhos de ferro e mais uma vez a sua oportunidade de prosperar foi perdida. Estávamos numa altura em que o caminho de ferro se expandia à velocidade da luz. Qualquer um podia fazer carreira, mas não Branwell que termina em maus lençóis pois as suas contas não batiam com as da empresa.
Por fim, Branwell torna-se tutor numa casa de uma família rica. Na altura era comum as famílias mais abastadas terem alguém para ensinar os filhos. Branwell achou que também podia ensinar coisas à sua patroa e daí a envolverem-se foi um pequeno passo. Mais uma vez Branwell volta para casa em desgraça. Mas não tem mais tempo para aventuras pois acaba por sucumbir à febre tifoide.
Das irmãs era esperado que arranjassem um trabalho e que eventualmente casassem, se aparecesse alguém que aceitasse a falta de dote.
O que acontece é que desde pequenas todas tinham escritos histórias e o Branwell também já agora. Eventualmente Charlotte decide publicar um livro de poemas, uma compilação dos poemas escritos por ela e pelas irmãs. Foi um fracasso. Contudo, elas não desistiram e lançaram-se a escrever livros. O sucesso foi imediato para a Jane Eyre de Charlotte; mais comedido para O Monte dos Vendavais de Emily e quase insignificante para Agnes Grey de Anne.
Os livros das três ainda hoje são lidos e estudados, em especial os que referi.
De Branwell também se fala, mas apenas porque era irmão delas. Se não fosse assim hoje seria apenas uma figura perdida que nem sequer estaria na historia local de Haworth, no Yorkshire.
Eu penso nele algumas vezes e na forma como perdeu tantas oportunidades e como as irmãs lutaram e conseguiram tanto, apesar de serem mulheres.
Ainda há uns tempos alguém me dizia que a ex-mulher do marido tinha tido muitas oportunidades para arranjar emprego, mas que nunca as agarrava. Eu pensei logo no Branwell e como a sua historia se repete ainda hoje.

sábado, 2 de julho de 2016

Não podes vencê-la e também nunca te vais juntar a ela*



E depois da uma amiga ter publicado isto eis o nosso brilhante diálogo:

Madrigal: Nada disso!! mais vale saltar de flor em flor, assim não há monotonia!! LOLOLOLOLOLOL
 
Amiga: Todos temos fases ****;  às vezes até nos apaixonarmos por uma flor sondamos um jardim.👅
 
 
Madrigal: e acabas toda picada nos espinhos!! LOL
 
Amiga: Tu hoje tás terrível... do estilo em vez de veres o copo meio vazio, vê-lo com um buraco no fundo... impossível de encher calma devagarinho tudo se resolve
 
 
* Eu e esta minha amiga raramente concordamos, mas respeitamos muito a opinião uma da outra. E muitas vezes acabamos com conversas destas em que falamos meio a sério, meio a brincar...

sexta-feira, 1 de julho de 2016

O que ando a ler

Uma Morte Súbita de J.K. Rowlling - estou quase a despedir-me dos habitantes de Pagford.... Tem sido uma leitura agradável mas muito longe de me entusiasmar.


Fotografia Luz, Exposição, Composição, Equipamento de Joel Santos - acho que faz sentido ler um livro sobre técnicas de fotografia se estou a fazer um curso de fotografia, não faz? Quem gostar do tema é um livro a comprar pois o livro está muito acessível para leigos. 

A Memória da Chuva de Sandra Freitas - comecei a ler assim que comprei, estou a gostar muito.



segunda-feira, 27 de junho de 2016

Ver a novela Xica da Silva em 1997 Vs Ver a novela Xica da Silva em 2016


Há uns meses que descobri a novela Xica da Silva no youtube. Tenho desde então visto, quando posso, quando me lembro, quando estou a fazer coisas que me permitem ter um olho no burro e outro no cigano...
É, sem sombra de dúvidas, a novela que mais gostei de ver. Na altura não havia muitas protagonistas que fossem destemidas e ousadas como a Xica, a maioria eram verdadeiras papas-açordas. Isso aliado ao facto de ser uma novela de época conquistou-me.
O que na altura não me tinha apercebido era que a novela retratava bem o drama de ser mulher em 1750. Sim, leram bem era um drama. As mulheres não podiam nada e não tinham direitos. Casavam com quem os pais queriam, raramente era por amor. Se muitas tinham a sorte de casar com alguém que as respeitava, outras eram sempre umas vítimas da maldade e da tirania dos maridos.
Era suposto a mulher ter filhos, mas não era suposto ter prazer quando os concebia... Nem sequer o marido via a esposa nua e eram raras as prostitutas que se despiam para os clientes.
Mulheres que sabiam ler ou escrever eram raras e achava-se que o melhor lugar para elas era no convento.
Existem muitas ficções que retratam estes dramas das mulheres, mas em geral nas novelas as coisas são sempre adoçadas. Aqui nesta está tudo bem retratado e fiel à realidade. Foi um facto que me surpreendeu, por um lado o realismo por outro o facto de antes não ter reparado nele.




domingo, 26 de junho de 2016

Entre Dois Amores????

Estava aqui a dar uma vista de olhos no meu feed do facebook quando vi o link para isto: 14 filmes sobre escritoras famosas que vão desopilar a sua mente. 

Entre titulos que conheço e vi, entre escritoras que nunca ouvi falar. Eis que chego ao titulo: Entre Dois Amores. Eu sei, não estão a ver qual é, mas é o titulo do Africa Minha, um grande favorito meu. Eu sempre achei piada à forma como traduzem os títulos cá em Portugal e no Brasil. A maioria das vezes em nada tem a ver com o original. E neste caso nunca achei que a Karen estivesse entre dois amores. O seu coração foi do Dennis desde o momento em que o conheceu. 

Já agora gostei de ver mencionado o filme sobre a minha querida Florbela Espanca. Sempre tão maltratada e esquecida....

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Adopção

“My husband and I have been trying to adopt a child from foster care for six years. The process is unbelievably difficult. There’s a reason people choose to adopt from foreign countries. Right now I’m waiting on my son to finish his ballet performance. He came from an orphanage in Guatemala. Can you imagine how different his life would be if we hadn’t adopted him? So this time we tried to adopt in America. We’ve inquired on 530 cases in five years. We’ve reached the f...inal round several times, but each time we’re not chosen. Once it seemed like we were finally on the brink of adopting five siblings. We spent so much time with them. We were bonded with them. But at the last moment, the top administrator vetoed our case. No reason was given. He thought we ‘weren’t a good fit.’ We were devastated. I still have their pictures. We’re good parents. We have six grown children and two who still live with us. Everyone is doing well. There’s no reason we shouldn’t be able to adopt. Everything moves so slowly because the bureaucracy is overloaded and underfunded. These kids have no money so they have no voice. I’m in a support group on Facebook full of people like me. Everyone is agonizing over the reasons that they aren’t being matched: too old, too many children, not enough children, not enough money. The guesses are endless. In the meantime there are 100,000 kids in this country who are waiting for a family.”


Apanhei isto ontem no Humans Of New York. As pessoas cá queixam-se da burocracia nos processos de adopção, mas pelos vistos não é só cá que as coisas andam devagar...

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Sing Street um filme a ver

John Carney deu-nos o Once, um dos meus filmes favoritos. Voltou com Begin Again do qual gostei moderadamente. Agora volta com este Sing Street gostei do trailer. A vibe dos anos 80 é boa. E até a música que criada para o filme tem uma vibe dessa década. Aqui fica o trailer. E a música que falo podem ouvir aqui: Sing Street - Drive It Like You Stole it.