domingo, 13 de novembro de 2016

O Bebé de Bridget Jones







É uma verdade universalmente conhecida que adoro a Bridget Jones. Mas para ser honesta para mim a história ficava pelo primeiro livro e filme.
Não sou a favor de sequelas, nunca fui, mas claro que é sempre bom rever os personagens.
 
Começando por ai, o Daniel Clever (Hugh Grant)não aparece, mas comédia romântica que se preze tem que ter um triangulo amoroso. Portanto o Daniel é substituído pelo Jack, interpretado pelo Patrick Dempsey.
É verdade que nem o Hugh Grant, nem o Patrick Dempsey são grandes actores, mas o Hugh tem aquele charme de bad boy incorrigível, que não queremos na nossa vida, mas que no fundo adoramos. Logo sempre foi perfeito como Daniel Clever. Já Patrick Dempsey tem um personagem demasiado bonzinho, demasiado perfeito até, para ser credível.
 
As aventuras de Bridget são sempre divertidas e cómicas. Mas desta vez pareceu-me que não houve grandes momentos de comédia ou até momentos que ficam na memoria.
 
Para terminar ou em jeito de resumo, este filme é como rever um conhecido que não vemos há muito tempo. Ficamos a saber o que lhe aconteceu nos anos que passaram, ficamos contentes com este ou aquele acontecimento e lamentamos alguma perda. Sabe bem rever a Bridget, mas se isso não acontecesse não se perdia nada.


 

3 comentários:

Eva Maria Valério de Sousa disse...

Acabei por não ir ver...

Madrigal disse...

eu vi no home cinema :D :D :D Compras o Dvd quando sair ;)

Eva Maria Valério de Sousa disse...

:)