terça-feira, 3 de janeiro de 2017

a pipoca, o arrumadinho e o direito à privacidade

Ontem quando fazia a minha habitual ronda pelos blogues que costumo ler, deparei-me com um post em que alguém falava da suposta separação da pipoca mais doce do marido.
O engraçado era que como nenhum dos dois fala do assunto nos respectivos blogues, as pessoas começaram a perguntar à blogger em causa se ela não ia falar.
 
Eu não sou fã da pipoca mais doce, sigo o blogue dela no facebook e por vezes quando o assunto me interessa vejo o post. Muito honestamente nunca achei o blogue nada demais, sempre achei mais um. Mas reconheço o mérito de quem trabalhou para levar o blogue a um lugar de destaque e de rentabiliza-lo a ponto de viver dele.
 
Depois do post no tal blogue fui ver o facebook e tentar perceber se realmente tinha havido separação ou não. E eis que me deparo com um comentário onde perguntavam se tinha havido divorcio. E quando alguém responde dizendo que isso era assunto privado, a primeira pessoa diz que não que deviam falar...
 
Eu não sei o que se passa na cabeça das pessoas, mas honestamente nunca achei que a pipoca se expusesse muito da sua vida pessoal. E sempre achei que quando o faz não vai além daquilo que eu entendo como conversas de café ou seja nada de muito intimo.
 
Mas parece que as pessoas acham que conhecem a vida dela toda e quem diz dela diz de outros bloggers que falam de assuntos mais pessoais. E por isso sentem-se no direito de perguntar. Querem saber. O que as pessoas parecem se esquecer é o que está no blogue é uma parte da vida, nunca a totalidade. Até porque a pessoa partilha o que quer. Pode dizer que esteve ontem no restaurante X ou pode simplesmente falar do estado do tempo. Por isso achar que se conhece a pessoa e a sua vida é errado. Mas mais errado parece-me esta ideia de se acharem no direito de saber mais do que aquilo que as pessoas querem dizer.

2 comentários:

Eva Maria Valério de Sousa disse...

Eu acho que o estar na esfera pública é uma venda da privacidade e que a pessoa pode escolher falar ou não mas que é normal que as pessoas tenham essa curiosidade. Eu no lugar dela elucidaria as pessoas por respeito para quem a segue. Mas não gosto dela (já antes mas principalmente quando insultou a miúda com cancro)e até entendo que tenha haters...

Madrigal disse...

Eu acho curiosidade em bocado mórbida no sentido da coscuvilhice pura. Ela fez um post, mais ou menos, sobre o assunto. E percebi que muita gente a via quase como uma amiga, o que achei mais estranho do que quererem saber.